quarta-feira, 28 de abril de 2010

SE O PAÍS ESTÁ À BEIRA DA FALÊNCIA?!

É óbvio que está!
Os trabalhadores na sua generalidade são mal remunerados, as empresas públicas na sua grande maioria apresentam défices enormes, o valor do subsídio de desemprego é um valor insuficiente roçando quase o limite da sobrevivência, os impostos cada vez são mais penalizantes sobre as classes de menores rendimentos, grandes "obras" estão no horizonte sem que para isso haja dinheiro para as fazer, os bónus da maioria dos gestores públicos são quase indecorosos num país como o nosso, existem "casos" atrás de "casos" envolvendo políticos e suspeitas de corrupção, o crime pequeno aumenta, a falta de "valores de cidadania" é cada vez maior,os portugueses andam cada vez mais descontentes com quase tudo, e ainda se pergunta se "o país está à beira da falência?"

É claro que está!!!

12 comentários:

chevalier de pas disse...

olá Profano

para mim já faliu...

bjs

Daniel Santos disse...

tem dias.

Nuno Raimundo disse...

Ola Chevalier...

Talvez talvez... lol

Bjs

Nuno Raimundo disse...

BoAS Daniel...

Penso que sim.
:)

abr...prof...

R. da Cunha disse...

O problema não pode ser visto tão simplisticamente. O país não está bem, disso ninguém duvida. Mas transcende-nos. Os grandes especuladores internacionais têm interesse em atacar o euro e começam pelos elos mais fracos: Grécia, Portugal, Espanha...Se a eurolândia funcionasse como devia (e os especuladores sabem que não funciona), nada de tão grave acontecia. Você sabe que a situação do Reino Unido e muito pior qe a nossa? E atacam a libra? E a Califórnia, um dos grandes estados dos EUA está falida há muito. Já teve notícias de atacarem o dólar?
Tudo isto não invalida que Portugal tem que mudar de rumo, mas a coisa transcende-nos, seremos sempre pequenos e vulneráveis. As regras do euro e do Banco Central Europeu é quem que tomar providências para que estas situações se não repitam. E fica a pergunta: para quem trabalham as empresas de rating?

500 disse...

Antes de mais, à beira da falência moral.

João António disse...

Mas ainda existem dúvidas ?!
Abraço

Nuno Raimundo disse...

Boas R. da Cunha...
( o Amigo proporcionou-me talvez o comentário mais comprido que por certo já fiz neste espaço) ;)

é certamente óbvio que as ag~encias de rating estão a "soldo" de alguém, claramente é mais difícil de provar...
Mas todos nós sabemos que e temos amplas evidências que sói assim pode acontecer.
E este ataque ao euro, tal como R.da Cunha bem diz, é mais uma manobra evidente por parte de grandes grupos económicos que vivem à base da especulação monetária e financeira mundial, e que tentam "afundar" economias debéis, neste caso mais em concreto, as dos países mais "sensiveis" da zona Euro.
Um dos seus "fins", é tornarem esses países "refens" do FMI e das agencia financeira/bancos de vários carteis financeiros/económicos, com créditos tão elevados que são obrigados a "entregar" a sua gestão politica e nacional nas mãos de "outros"...

Todos sabemos que o Euro foi criado com fins especificos, tais como a harmonização da "currency" e da fácil "transportabilidade monetária" entre os países aderentes; mas uma consequencia nefasta ao se "harmonizar" as moedas nacionais numa só, é que os países aderentes ficaram mais expostos a estes jogos de interesses por parte de especuladores, e se o Regulador/es dos Mercados Finaceiros, em particular da UE funcionassem devida e corretamente, seria muito mais dificil estes ataques terem as consequencias que têm, mas os países aderentes do euro, apesar de terem regras e normas a cumprir também eles por si só pouco ou quase nada fizeram para se proteger destes ataques especulativos.

E por isso é que não vemos tb a Libra nem o Dólar, como alvos por parte destes especuladores, com arelevância que o euro tem, ou não fossem ambas claramente preferíveis em termos de mercados cambiais.

E num país como o nosso, de "segundo mundo" ( claramente não somos de 3º nem tão pouco de 1º), estamos em permanencia expostos e vulneraveis a estes ataques e muito dependentes das classificações das agências de rating; uma vez que, somos uma economia subsidio-dependente, que muito depende dos fundos de Bruxelas, por não sermos auto-suficientes, e como tal, o valor do défice e da divída pública são preponderantes para um país como o nosso.
Ou não pertencessemos nós tb a esse nicho da UE, classificado como "PIGS", onde todos os seus "pertencentes" são economias neste momento bastante debeis e em ampla involução, nomeadamente a Grécia com o grave problema que tem neste momento.

Os paises deste grupo, tal como Portugal, necessitam de uma contenção imediata da despesa pública e de um travão nas grtandes obras que tenham em projeto e em alguns casos mesmo, nas que estiverem em curso, sob o risco de não conseguirem cumprir com os prazos estipulados por falta de verbas...
E neste caso, temos um grave problemas em mãos, visto que apesar daó PEC e das tentativas de contenção que o atual governo que fazer, mesmo assim, querem avançar com projectos megalomanos para a altura em que estamos e talvez dessa forma, hipotecar o nosso futuro a longo prazo.
Neste momento precisamos de consolidar as contas públicas e não necessitamso de mais AEs, Pontes, TGVs e afins.
(Tudo isso é necessário, claramente!
mas não nesta altura e nem no contexto economico grave em que vivemos)

Mas como já sabemos por hábituação, quem pagará a crise serão as médias e pequenas familias, os pequenos investidores e PMEs, e as grandes empresas, passarão ao lado da crise, como sempre o fizeram...

:)

abr...prof...

Nuno Raimundo disse...

OlÁ 500...

dessa ja estamos há bastante e demasiado tempo. ;)

abr...prof...

Nuno Raimundo disse...

Boas João...

pois, infelizmente já so temos certezas... :(
:)

abr...prof...

R. da Cunha disse...

Obrigado pela atenção que prestou ao meu comentário. Este assunto é complicado de abordar e tem várias nuances. Alguns dos seus considerandos merecem-me acordo.

Nuno Raimundo disse...

Boas R. da Cunha...

Eu é q tenho de agradecer. ;)

E estamos de acordo em muita coisa, só nos "futebois" é que...
Mas espero puder lhe dar os merecidos parab´nes para a semana que vem. ;)

Quanto ao post, de facto o tema encerra v´arios tópicos e é demasiado abrangente para ficar apenas pela caixa de comentários ou através sequer de uma serie de posts, mas também não ía deixar de fazer um comentário digno do R.da Cunha, que tanto me tem "incutido" a escrita por estas paragens... ;)

Por isso tentei ser o mais abrangente posível na miha resposta. :)

abr...prof...