segunda-feira, 1 de setembro de 2008

O "GUSTAVO"... E SE ELE NOS FIZESSE UMA VISITA?!

Não, não estou a falar de um amigo pessoal; Estou a falar antes de outro "Gustavo". "Gustavo" esse que ninguém quer conhecer pessoalmente.
O furacão Gustavo que se aproxima da costa Norte-Americana e que na sua rota pelas Caraíbas já fez vários estragos e deixou um rasto de mortes imenso.
As autoridades Norte-Americanas já lançaram o "alerta de furacão", o que levou à evacuação de várias cidades e povoações do estado do Louisiana, mais concretamente na cidade de New Orleans. Sim essa mesma que num passado muito recente fora devastada pelo furacão Katrina.
Mas desta vez parece que estão a tomar todas as precauções necessárias e a tentar antever os estragos que possam advir da sua passagem pelos EUA.

Mas se invés de ser nos EUA, esta situação se passásse cá no "rectângulo"?
Estaríamos preparados para enfrentar uma tempestade assim?
Penso que não. E as chuvadas de há um ano atrás dizem-me o contrário.
E desde então me parece que tudo continua na mesma. Não vi mudanças nas gestões autárquicas nem na forma como a "Proteção Civil" planeia estes casos.
Parece que a moda do momento é a preocupação com a onda de crimes que nos assola.
E então a "fúria" da Natureza fica para depois?!

De facto, nunca aprendemos com os erros anteriores... :(

9 comentários:

C Valente disse...

Num local tão mau, nem os maus querem visitar
Saudações amigas

Tiago R Cardoso disse...

no mínimo Portugal desaparecia do mapa, não estamos nem tão cedo estaremos preparados para um desafio como um furacão.

NuNo_R disse...

Boas C...

lololol talvez seja isso que nos tem deixado imunes á furia da Natureza eheh

abr...prof...

Boas tiago...

Tenho essa ideia. E para mais, com o aquecimento geral da temperatura das águas ocêanicas, com o consequente degelo das calotes polares, bem quero ver o que nos acontecerá quando as marés aumentarem e começarem a invadir terra a dentro. E a maioria da nossa faixa costeira encontra-se ao nível do mar... :(

abr...prof...

António de Almeida disse...

Estaríamos preparados para enfrentar uma tempestade assim?

-Não estamos, nem poderiamos ou deveriamos estar, o nosso clima nada tem que ver com as Caraíbas, nem as águas do Atlântico com as do golfo do México (mais quentes), logo o Gustavo se viesse em sentido inverso, chegaria cá como uma tempestade forte, no máximo. Excepto é claro, nas peças de ficção do sr. Al Gore. Por falar nisso, este está a ser um verão tão quente (falava-se que seria o pior dos últimos anos), que até dói. A culpa deve ser do George W. Bush e do aquecimento global. O que nos devemos sim, é preparar para cenários frequentes extremos no nosso país, subida de rios, chuvas fortes continuadas, aluimento de terras, limpeza de esgotos, algo que não fazemos.

NuNo_R disse...

Boas antónio...

A minha critica é mais por aí.
Pela falta de politica de uma boa festão autárquica em relação á limpeza de esgotos, de uma correcta jardinização dos espaços verdes, que muito contribui para se organizar os fluxos pluviais, bem como frisas e bem, terem uma atenção especial em relação aos deslizamentos de terras, que tanto po~em em causa as casas e as vidas de muita gente.

Mas se calhar teremos de esperar pelas primeiras chuvas de Outono para ver se o "erro" continua... :(

sbr...prof...

abr...prof...

SILÊNCIO CULPADO disse...

Nuno
Pois. Nós não estariamos preparados para receber o Gustav mas os STATES também não estiveram para receber o Katrina. Agora foi mais soft até porque o Gustav perdeu força.
Mas tu achas mesmo que nós não temos experiência com furacões com tanto vendaval que anda por aí?

Abraço

NuNo_R disse...

Olá silêncio culpado...

Lá nessa ponto tens razão. com o vento que faz nem sei se ainda estamos no verão.
E logo este que tinham dito que seria um dos mais quentes de sempre.
e eu que comprei uma ventoinha nova e tudo... lol

Bjs

André Couto disse...

Nem o Gustav nem qualquer outro fenómeno metereológico mais forte do que uma "chuvinha" afecte o nosso páis... Com a nossa preparação e a nossa estrutura qualquer dia até o bom do Anticiclone dos Açores começa a dar transtorno...

NuNo_R disse...

Boas andré...

Lá nesse ponto tens muita razão.
Andamos a esquecermos que o amistoso Anticiclone dos Açores qualquer dia pode dar mostras de que pode mudar a sua "compostura" com os tugas. Por enquanto tem sido porreiro, mas com o aquecimento das águas poderá tornar-se em algo "mais complicado" de lidar e não sei se já foi estudado algum plano para nos proteger da sua possivel fúria.
Até lá vamos aproveitando os dias soleiros com que ele sempre nops vai brindando...

abr...prof...