domingo, 28 de dezembro de 2008

M... DE "SAÚDE" QUE VAI NESTE PAÍS...

Era para não postar nada por estes dias natalícios, mas infelizmente e somente por isso e para desabafar um pouco a "ira" que vai em mim, vou "destilar o meu veneno" neste post!

O meu sogro, jovem que hoje faz 8o anos e que os festeja numa cama do Hosp. Pulido Valente ( já lá vamos...) foi mais uma das milhares de pessoas que sofreu na pele o "Crash dos Hospitais".
Depois de ter saido à cerca de uma semana do Hosp. da Santa Maria onde tem andado no entra-sai (infelizmente) habitual de quem tem uma idade/experiência destas e uma saúde já afetada pela forma com que levou a sua vida; deu entrada novamente por volta das 17 horas de sexta-feira no referido hospital com uma pneumonia. E depois de feita a triagem deram-lhe uma etiqueta verde.
Acontece que depois de erros hospitalares vários, nomeadamente enganos ao nivel do tipo de soro e forma de o por a correr nas veias do velhote em que o enfermeiro deixou mal posto o tubo e ficou o soro a correr e a molhar o "velhote", da habitual espera pelas análises e posterior resultado, e já sabendo o hospital de antemão qual a situação clínica dele por lá andar neste entra-sai vai para 3 meses com problemas respiratórios e gastreológicos ( ainda na última vez que ele lá entrou pela Urgências, esperei eu 12HORAS das 04h30 da manhã às 14h00 da tarde de 29 de Novembro). Eis que pelas 05hoo da manhã me dizem que ele será encaminhado para internamento no Hosp. Pulido Valente por não terem camas vagas.
É de chorar de tanto rir.

Agora depois de ler nos jornais e assistir nas Tvs o caos que aconteceu este fim de semana é caso para dizer, a política de Saúde deste governo FALIU!!!!!!!!!

Ou será que a ideia é as pessoas morrerem para o Estado ficar lá com o dinheirinho das suas reformas, pouparem nos subsídios de apoio e afins?!

Como é que o governo demonstrará o contrário?
Fecha centros de saúde, maternidades, apoia a iniciativa privada invés de apoiar os hospitais públicos ( nem todos teem dinheiro para andar em CUFs, H. da Luz, etc) e ainda promove uma linha telefónica ( Saúde 24) que não dá vazão às chamadas efetuadas nem o INEM consegue responder a tantos pedidos de auxilio e nem falo apenas deste fim-de-semana, pois nos últimos tempos sempre que ligo para o INEM para virem ver o estado de saúde do meu sogro e o respetivo transporte hospitalar, as chamadas vão sempre parar ou ao Grande Porto, Alentejo e desta vez até para o Algarve foram parar.

E depois não querem que o Povo os trate mal nos comícios e nas campanhas eleitorais...
Assim não, assim não!!!!

28 comentários:

A. João Soares disse...

Desejo as melhoras do seu sogro e que não colabore nas intenções do governo reduzir a quantidade de idosos que já não produzem.
Hoje começa a falar-se com demasiado avontade da eutanásia mas ela pode dar lugar a abusos do Estado para se libertar de pessoas não produtivas evitando gastos com hospitais, medicamentos, pensões, etc, etc. Em Estados que raciocinam com base no dinheiro, a eliminação de reformados e deficientes é uma tentação com que devemos contar.
Mas, como o amigo diz, nem esperam que saia legislação sobre tais medidas, eles já a estão a praticar com o mau funcionamento da Saúde.
Oxalá as coisas melhorem.
Um abraço
João

Tiago R Cardoso disse...

plenamente de acordo, é demasiada estupidez para ser verdade.

Um politica falida que acha que é com cortes que a coisa vai lá.

Existem coisas em Portugal que se deve de facto controlar o desperdício mas não foram feitas para dar lucro mas sim para prestar bons serviços ao cidadão, o saúde é uma delas sem duvida.

Paulo Sempre disse...

O sistema e sub-sistemas de saude, passaram a ser, tal como os lares de idosos, albergues para os que esperam a morte. Apressar a morte em tais lugares já vai sendo rotina. Entretanto a vida humana é considerada o bem juridico mais bem defendido.
Entre a teoria e a realidade, há, por vezes, paradoxos aterradores...
Boas melhoras ao seu sogro e um Feliz Ano NOVO.

PaULO

Paulo Sempre disse...

«Procuro na Vida e na Sociedade em que vivemos, as respostas a várias questões e acontecimentos com que me deparo no meu dia-a-dia enquanto Ser Humano e tento lutar dentro das minhas possibilidades contra este marasmo em que vive o HOMEM .»

lUTE, SEMPRE!!!!

aBRAÇO
pAULO

Elisiário Figueiredo disse...

Tratamos "pouco" mal os políticos, porque a forma de os tratar era nas próximas eleições votarmos em branco.

As melhoras do seu sogro e boas entradas.

António de Almeida disse...

-Nuno

-Confesso que não percebi a razão da sua revolta, certamente falha minha, mas permita-me, qual o problema em não haver camas disponíveis em Sta Maria, e transferirem o doente para o Pulido Valente? -É que por sinal aconteceu o mesmo ao meu pai há já alguns anos, o Pulido Valente funciona com "rectaguarda" de Sta Maria, e não tive razões de queixa. Já o mesmo não posso dizer de Sta Maria, onde o meu pai viria a falecer (outra doença, uns tempos mais tarde), mas essa é uma história que não me apetece falar, pelo menos de forma pública.

NuNo_R disse...

*Boas A.João...

o Amigo fala e bem da Eutanásia.
Eu respeito quem a usa como medida final para atenuar o seu próprio sofrimento e não se for o Estado a utiliza-la apenas para racionar custos.

Claro está que com as políticas de saúde introduzidas por este governo atual, o caminho para um "assassinato" global está em desenvolvimento. e digo assassinato porque quem não tiver seguro de saúde, dinheiro ou recursos prórpios, qualquer dia não terá forma de ter ou de usufruir de cuidados de saúde, pois o estado cada vez menos honra a sua própria Constituição.

abr...prof...




* bOas Tiago...

Concordo plenamente contigo.
A Saúde não serve para dar lucro, para isso já lá estão os nossos impostos.
Se eles não servem para nos dar "saúde", servirão para o quê afinal?

abr...prof...

NuNo_R disse...

* Boas Paulo...

Parece que sim, sempre vão racionando recursos dessa maneira.

Agradeço as palavras simpáticas e de melhoras.

abr...prof...




*Boas Elisário...

Talvez talvez...

Podia ser que passassem a mostrar mais respeito por quem os elege.
Agradeço os votos de melhoras.

abr...prof...

NuNo_R disse...

BoAS António...

O problema não reside apenas no fato de existirem camas disponiveis ou não ( neste tema até tenho bastantes estórias que se passsaram com o meu sogro noutros internamentos dele, em que andou a saltar de quarto em quarto por causa de não haverem camas vagas...), porque isso até compreendo dado o volume que pode existir de internamentos ou de urgências que aconteçam. Digo compreendo mas não aceito. e não aceito porque os hospitais devem estar preparados para este tipo de ocorrências e terem a logistíca suficiente para dar resposta a estas situações mesmo que anómalas.


E por acaso até prefiro o H.P.V., porque é um hospital mais pequeno, logo o cuidado e a atenção dispensada ao doente é maior e o estacionamento é mais barato que no H.Stª. Maria. Ao menos isso no meio do "mau" da situação. :)

Também tenho uma estória menos boa com o Stºa Maria e com o falecimento da minha sogra deu entrada com um AVC, e durante a noite veio a falecer sem que me tenha parecido que tenham tido o cuidado ou fazer os tratamentos que se devem fazer, e para além de ter feito reclamação, veio a resposta que tinha sido tudo feito como devia ser.
Apesar de ter falado com outras pessoas que me demosntraram o contrário.
Às vezes penso que os médicos e pessoal hospitalar se esquece que lida com vidas humanas e não com animais...
Mas isto é o meu coração a falar...

Mas ainda bem que não é a generalidade, pois o meu pai faleceu de uma doença terminal numa cama de hospital no H.dos Capuchos e pelo que lá vi, foi bem tratado e ele andou um ano inteiro no entra-sai do H.Desterro e Capuchos.
Situação essa que muito me custou na altura em superar.
Mas o Tempo e quem me rodeia me auxiliaram na superação dessa grande perda que é ficarmos privados de um dos nossos pais.

Espero, sinceramente que o António tenha superado a sua perda e deixo-lhe um Abraço sentido.


abr...prof...

Lampejos disse...

NuNo_R,

Foste me desejar um feliz natal.... Obrigada!

Hoje vim te desejar Feliz Ano Novo!

Espero sinceramente que este ano as coisas por aí politicamente e hospitalares se resolvam para o bem.
Que não faltem leitos no teu nem no meu País,
e que possamos trabalhar sem termos que atender um paciente como seu sogro com a dignidade que merecem.

Sinto muito pelo fato ocorrido.

[obrigada pela visita!]


(a)braços,flores,girassóis:)

escarlate.due disse...

primeiro: as melhoras de seu sogro.

quanto ao sistema de saúde em Portugal, ele é francamente deficiente, sem sombra de dúvida (aliás como muitos outros sectores do país) e por vezes, mesmo com dinheiro, a deficiência mantém-se.

queria apenas deixar um reparo (sem qualquer critica em relação o si, note-se) erros médicos acontecem, porque antes de mais são humanos e só posteriormente são médicos. nem sempre esses erros se chamam "negligência" ou pelo menos, não o são levianamente (embora também aconteça).

o INEM, faz o que pode dentro das capacidades que tem e que infelizmente não são muitas, tal como os bombeiros.

por esses motivos tenho um enorme respeito e apreço por todos os profissionais ligados à medicina, que todos os dias salvam e prolongam vidas, como fizeram comigo inúmeras vezes, felizmente.
considero, por isso, sempre injusta a generalização.

nenhuma das minhas observações invalida, contudo, a sua justa indignação e espero que em breve o governo decida distribuir inteligentemente a escassa verba de que dispõe o país, embora dúvide, porque isso faria acabar a mama de uma data de inúteis.

tenha um bom ano, bem como a sua família

João Eduardo disse...

Reflexos de uma imcompetençia política e económica que sacode os organismos públicos que em vez de estarem ao serviço das pessoas estão ao serviço de interesses...
O que se cestá a passar é na realidade uma prova que os hospitais não estão preparados para o quer que seja... e se houvesse um terramoto, ou outro tipo de cataclismo ? Onde estão os planos de contigênçia ? Aguém sabe o que é, o que são e para que servem ?...deveriam ser extensíveis até à criança do pré escolar. Só assim, existe uma cultura de responsabilidade e ordem pública.

bjecas disse...

Eu trabalho na saúde e não te retiro o direito à indignação se justa. Tal como aqui já escreveram (inclusivé tu mesmo) não se pode generalizar.
Que o velhote possa arribar.

A ti e aos teus um excelente Ano Novo

Abraço pá

\m/

SILÊNCIO CULPADO disse...

Nuno
Senti este problema como se fosse meu pois com o meu falecido pai passou-se algo tétrico que nem quero lembrar. Desde os profissionais de saúde afirmarem que o estado dele não justificava que fosse de ambulância nem o internamento hospitalar e, no entanto, ele morreu.
É doloroso demais para quem vive situações destas.

Desejo as melhoras do teu sogro e um 2009 mais feliz, com saúde e pleno de realizações pessoais e profissionais.

Abraço apertado

Tiago R Cardoso disse...

Um Feliz Ano Novo e um tradicional mas sentido, que conseguias tudo o que desejas.

António de Almeida disse...

-Um feliz 2009 Nuno. Espero que o seu sogro esteja melhor.

R. da Cunha disse...

BOM ANO

C Valente disse...

O meu obrigado
As minhas mais cordiais saudações, esperando nos encontrar no final do próximo ano 2009
Tudo de bom

LopesCa disse...

Tens uma prenda no meu blog espero que gostes ;)
http://lopesca.blogspot.com/2008/12/desafio-da-revolta-ao-mundo-em-80.html

Bom Ano 2009

NuNo_R disse...

*Olá Lampejos,
Fico grato pela tua visita.
Que o ano de 2009 corra como tú desejas...

Bjs


*Olá escarlate.due...

Agradeço a visita e os votos de Boas Entradas...

abr...prof...

NuNo_R disse...

*bOas João Eduardo...

Concordo na íntegra.

O que aconteceria seria catastrófico.

abr...prof...



*bOas bjecas...

Agradeço a tua visita e votos de Boas Entradas.

abr...prof...

NuNo_R disse...

*Olá Lidia...

Para além de doloroso é bastante complicado assistir a situações deste tipo, e uma pessoa quase ter de ficar de braços cruzados sem nada puder fazer para alterar a situação ou comportamentos...

Bjs



* BoaS Tiago...

Também eu te desejo o mesmo. Se for em dobro tanto melhor... eheh

Que 2009 seja um ano feliz para ti e familia.

abr...prof...

NuNo_R disse...

*Boas António...

Os votos felizes são retribuidos em dobro. :)

abr...prof...



*Boas R.da Cunha...

Espero mesmo que o ano que vem seja um Bom Ano para Todos Nós...

abr...prof...

NuNo_R disse...

*BoAS C...


Tal como referi anteriormente, que este ano que agora começça nos traga mais e melhor que o que findou.
Já era altura para as "coisas" começarem a melhorar...

abr...prof...


* Olá Lopesca...

Sabes que eu presentes aceito sempre lolol


Bom Ano para Ti!

Bjs

Jose Ruah disse...

Caro Nuno

Deixe-me dar-lhe algumas precisões sobre atendimento hospitalar.

Esclarecimento previo:
Não sou medico nem trabalho para o Serviço nacional de Saude nem para qualquer outra instituição estatal.
Sou Gestor Hospitalar ou melhor Gestor na area da Saude, empresario na area da Saude (privada)

1- Sta. Maria e Pulido Valente integram o que se chama actualmente - Centro Hospitalar Lisboa Norte (CHLN)

2- O CHLN é o "Hospital" com mais camas em Portugal.

3- A filosofia dos Centro Hospitalares é centralizarem alguns serviços ( Urgencias) mas descentralizarem outros, e isso acontece com Pneumologia por exemplo que está descentralizada no HPV.

4- O CHLN é dos hospitais portugueses o que mais progressos tem feito no caminho de um atendimento mais correcto e mais rápido. ( não estou a dizer que já lá tenha chegado ou que são infaliveis)

5- Os recursos hospitalares sendo neste caso vastos são sempre escassos. O mundo ideal seria haver tantas camas quantas as necessárias a cada momento, assim um especie de modulos ajustaveis - hoje temos mais urgencias manda por ai mais um modulo, amanha temos menos tira ! - isso incluiria claro médicos e enfermeiros e auxiliares e administrativos e pessoal de limpeza e seguranças e maqueiros e ....
Mas isto não existe. Os recursos sao limitados. Os edificios não se podem expandir assim de repente e os profissionais de saude não nascem nas arvores.

6- Ao contrario do que afirma não contraproducente fechar serviços ou centros de saude. Pode perfeitamente ser uma forma de melhorar os recursos. O caso mais mediatico foi o da maternidade de Elvas. A demagogia foi tal que todos se esqueceram que em Elvas apenas nasciam 250 crianças por ano. Como o Ano tem 365 dias isto quer dizer que 1/3 do ano profissionais qualificados ficam a olhar para o tecto sem nada que fazer. Por isso estes profissionais foram recolocados onde havia necessidade e o serviço fechado sendo estabelecido um protocolo com Badajoz.
Se fosse empresário e isto acontecesse na sua empresa o que faria? Ficava a perder dinheiro ou geria os seus recursos ? É que o dinheiro que paga estes profissionais para ficarem quietos é seu, e meu e todos os outros leitores do blog.
E poderia continuar a elaborar sobre este tema, mas não lhe vou consumir tempo.

7 - Nem todos os profissionais que estão no atendimento têm a destreza e capacidades optimas.

8 - Isto quer dizer que existem diagnosticos menos apropriados ou decisões menos adequadas, que resultam em perdas de tempo, erro, etc.

9 - Do ponto de vista do ordenamento há ainda muito a fazer.
A Zona de Lisboa tem neste momento cerca de 1100 camas a menos. Os projectados hospitais de Cascais ( 250 camas), Loures (600) e Vila Franca de Xira ( 270) virão no futuro suprir essa dificuldade.
Neste momento Loures drena para o CHLN, Cascais para o CHLOcidental, e VFX para o CHLCentro. Nem menciono o Hospital projectado para Sintra porque esse so vai ajudar o Amadora SIntra

10- O fenomeno da Saude nao pode ser visto de forma isolada, mas sim como uma rede bem complexa de serviços e problemas.

11 - Para alem do mais é necessario rever o ensino e promover vagas de faculdade para profissionais da saude - não só médicos mas tamém todos os outros.

12 - Tudo isto não resolve o problema concreto do seu Sogro, que espero esteja melhor. Mas talvez o ajude a perceber melhor que nem tudo é o que parece. Entenda-se que não pretendo fazer a defesa do sistema, mas lançar apenas algumas ideias.
É evidente que quanto nos toca a nós a percepção fica mais toldada pelo sentimento, mas isso é normal.


Posto tudo isto, e usados 12 pontos para responder ( porque será ?) desejo-lhe um optimo 2009 e para o seu sogro um pronto restabelecimento para os seus males e um rapido retorno a casa.

NuNo_R disse...

BoAS jOSÉ Ruah...

O seu comentário foi esclarecedor, não pelo tamanho mas pelo que me informou.
Desconhecia alguma das coisas que mencionou.

ºMas tal como eu disse no post, escrevi a quente, e nesse estado de espirito costuma ficar toldado pelo coração e não pela razão.

ºMas falando num sentido mais lato, se existe "campos/temas" onde eu pessoalmente não me importo que o Estado gaste os meus impostos é na Educação e principalmente na Saúde, mas de forma séria é claro.
Prefiro saber que pago impostos altos mas que tenho uma Saúde e uma Educação de Qualidade, do que ter montes de estradas e pontes e que depois a sua manutenção se tormna bastante dispendiosa.

ºMas compreendo a sua posição e Agradeço o esclarecimento sobre o CHLN.



PS: comentei em 3 pontos... ;)

Agradeço a preocupação. :)abr...prof...

Jose Ruah disse...

Os investimentos em Saúde são sempre muito complexos pois lidam com um dos factores essenciais da satisfação das pessoas - A saude em si.

Um Hospital é um investimento de centenas ou milhares de milhoes de euros. O recem adjudicado Hospital de Braga com cerca de 600 camas custará aprox 800 milhoes de euros para construir e equipar ( preço de projecto porque no fim da obra...).

A tecnologia na saude tem niveis de obsolescencia enormes, mas não é possivel trocar um ecografo a cada 2 anos ( cada ecografo pode custar 150000 euros). Os demais equipamentos tambem sao assim.

O numero de camas é projectado tendo em conta questões demograficas e projecções a prazo.

Como nao vivemos num país de poder centralizado, as pessoas ainda podem escolher onde vivem, e o facto de esta ou aquela zona ter um hospital novo, pode fazer com que o influxo de habitantes seja maior que o previsto e com isso esgotar rapidamente a capacidade prevista.

É fundamental ter uma rede estruturada e comunicante entre si no serviço de saude.

O cidadão A é atendido no centro de saude onde tem uma ficha medica e na qual estao os resultados de analises e de exames.
Quando tem que ser atendido numa consulta de especialidade os hospitais não têm acesso a esta informação e logo há que recomeçar o processo. Mais análies mais exames e uma nova consulta para mostrar os resultados.
Só porque a informação não está disponivel, o doente usou 2 vezes os recursos de Meios Complementares de Disgnostico e tratamento (MCDT) e teve que "queimar" mais uma consulta de especialidade para ir mostrar os novos exames.

Os MCDT e as consultas de especialidade são recursos caros e muito requisitados, logo se por cada paciente se conseguir ser eficaz a poupança é enorme em dinheiro e em tempo de espera para uma consulta.

Ora a deficiente integraçao dos serviços que é o que acontecia ( ainda acontece) com maior incidencia até há 2 anos e que começou a ser combatida com racionalizaçoes de serviços e com um programa piloto na Regiao Autonoma dos Açores pelo qual e através de um potente sistema informatico se pretende que os Centros de saude fiquem ligados aos hospitais.

Eliminando uma serie de escolhos do caminho é possivel estruturar o atendimento de saude de forma mais sistematica, correcta e celere.

Mas a estrada é longa e o caminho começou recentemente.

Evidentemente que as mudanças levam a demagogias e a resistencias, mas é fundamental pensar a prazo e perceber que erros estruturais não se corrigem com soluções conjunturais.

E infelizmente o que foi sendo feito nos ultimos anos foram apenas "pensos rápidos" que consumiram muito dinheiro, muito tempo mas que produziram muito pouco efeito.

Vejamos se o caminho começado pelo anterior Ministro da Saude, homem com grande conhecimento mas compouca capacidade de comunicação, é continuado e se chega a bom porto.

Continuo a desejar as emlhoras do seu sogro.

NuNo_R disse...

Boas José Ruah...

Concordo com o que diz.

Gostava é que fosse mais céleres tanto a construção dos hospitais que estão previstos como o findar de procedimentos borucráticos que nada facilitam a obtenção dos cuidados de saúde que são precisos.

Apesar de eu não ser fã de medidas tipo "Big Brother", aceito plenamente a sugestão ou até mesmo a criação de uma base de dados no setor da saúde para facilitar os utentes e os doentes na generalidade.
Desconhecia o exemplo que abordou, mas penso que será bom para a população dos Açores tal medida.

abr...prof...