quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

PRENDA DE NATAL ANTECIPADA...

Hoje os trabalhadores europeus em geral , tiveram uma prenda de Natal antecipada.
O Parlamento Europeu votou contra o aumento da jornada semanal de trabalho para mais de 48 horas. Sendo esta uma grande vitória para os trabalhadores.

Ás vezes parece que o Patronato se esquece que os seus funcionários/ colaboradores ou o que quiserem lhes chamar também têm família a cuidar e ter tempo para descansar.
E que não são máquinas ali apenas para os servir.

É óbvio que o Horário de trabalho é para ser cumprido e condeno veemente quem falta pela mínima razão possível e prejudicando assim o seu serviço e trabalho. Mas também não é à custa de trabalho suplementar consecutivo nem aumentando o tempo de trabalho semanal que se irá sair da crise. Apenas a camuflará, tapando-se empregos que podiam ser criados, com o aumento do tempo de trabalho de quem já se encontra empregado.

Caros Patrões, é altura de deixarem de olhar somente para vocês, deixarem de se preocupar com a obtenção de lucros fáceis à custa de quem é vosso subordinado.
Se querem lucros, tudo bem.
Criem boas condições de trabalho, com “ferramentas” de qualidade e o trabalho desenvolvido será melhor realizado, ajudando logo aí a diminuir o absentismo numa boa parte. E depois tentem dinamizar ou criar melhores “produtos” a serem consumidos/utilizados. É essa uma das vossas obrigações fundamentais.
Os subordinados estão lá para cumprir e nada mais. Mas cumprir com condições.

É que não sei se sabem mas já estamos no sec.XXI e não em 16...

5 comentários:

António de Almeida disse...

-Já trabalhei mais do que 48H por semana, em circunstâncias excepcionais è certo, e não considero que tenha sido obrigado, ou que pudesse sequer ter sido substituido (não quer dizer que seja insubstituivel), tão só e apenas porque tive de desempenhar tarefas que demoraram mais do 48H numa semana, e teriam de ser realizadas por uma pessoa apenas. Fui remunerado, gozei descansos mais tarde, e tudo bem. Mas cada caso é um caso, sendo um defensor da flexibilidade não defendo a arbitrariedade que sei muito bem que existe...

NuNo_R disse...

Boas António...

o problema é que na generalidade dos casos as leis são degeneradas pelos empregadores e depois têm de ser os sindicatos a tentar por alguma "ordem" no assunto.
Algo que nem devia acontecer porque não cabe aos sindicatos intrometerem-se na gestão das empresas. Mas se a maioria das empresas seguissem em respeitassem as leis laborais, nem seria necessário existirem sindicatos. O fato de eles existirem é sinal que as coisas não correm como deviam ser.

Quanto às 48 horas, tb eu já as trabalhei e fui mal pago por elas. Se as pessoas forem bem remuneradas pelas horas extraordinárias que fazem, se as mesmas aconteçam por opção pessoal, nada tenho contra e até felicito quem pode dispensar algum do seu tempo pessoal a trabalhar.
Mas como isso raramente acontece, a minha critica é nesse sentido.

Atualmente tenho um regime de cerca de 35 horas semanais, o que é melhor do que muito trabalhador português tem ( e mesmo assim queixo-me da falta de tempo que tenho para as minhas atividades pessoais, mas isso é problema meu e não do meu patrão como é óbvio).

Mas acredito que não é através do aumento do tempo de trabalho que se melhore a "coisa" e não será assim que se criará novos postos de trabalho.

Nem podem os trabalhadores estarem subjugados ás vontades dos seus empregadores!
Do tipo, "hoje tens de ficar mais 3 horas a trabalhar", "ou este fim de semana não descansas"...
O que é isso?!

Toda a gente gosta de descansar e passar tempo com a sua familia ou amigos.

E quem irá buscar os filhos aos colégios/escolas, dos trabalhadores que terão de prolongar o seu serviço fora do tempo usual de trabalho?
Ainda faltam ser criadas muitas estruturas de suporte a tais flexibilidades laborais.

E aoenas a flexibilidade laboral, vulgo "flexigurança" poderá ser implantada após criação dessas estruturas de suporte, nomeadamente creches, amas, e outros suportes sociais que possibilitem então esses alargamentos ao normal horário de trabalho.

O que não pode ser prejudicado é o trabalhador, que pouco vê ao fim do mês e que´pouco é recompensado pelo trabalho que faz...


abr...prof...

Tiago R Cardoso disse...

Totalmente contra o horário de trabalho alargado.

Contra porque esse alargamento é imediatamente aproveitado por muito patrão para calcar a cabeça ao empregado.

Se esse alargamento significar algo de bom para a empresa e para o trabalhador, tudo bem.

Agora se isso for apenas para cortar no numero de empregados, tentando fazer mais com menos, não obrigado.

Abraço ò desaparecido.

Arco-íris disse...

Breve n temos tempo p estar c os nossos...n ao aumento das horas de trabalho...
beijinhos

NuNo_R disse...

*BoAS TIAGO...

eSTAMOS EM SINTONIA. :)

ABR...PROF...

*oLá arco-íris...

é isso aí.

Bjs