terça-feira, 6 de janeiro de 2009

SOBRE A ALEGADA "DEFESA PESSOAL"...

Antes demais quero lembrar a quem me conhece e informar quem não me conhece, que sou contra qualquer forma de abuso policial e qualquer abuso que exista sobre alguém, quer pela via da força quer pela via da palavra.

E posto isto passo ao post em si,

Nos últimos dias sucedeu mais um caso em que um policia disparou a matar um civil, sendo o mesmo um menor de idade.
Está ainda por apurar a veracidade e o real motivo do disparo.
O agente de autoridade afirma que foi na sua legitima defesa após ter uma arma de fogo apontada a si mesmo e que disparou após avisos vários ao meliante.
Parece que o tal menor, estaria em fuga após ter furtado um automóvel com outros jovens da sua idade. Crime esse ultimamente muito popular nestas franjas de idade.

O que está em causa neste post não se trata de o policia tinha ou não razão ao efetuar o tal disparo mortal ou se o jovem era um santinho.
Mas sim, o que cada um de nós faria numa situação deste tipo.
Como agiriam se tivessem uma arma de fogo apontada a voçês e se nas vossas mãos tivessem também outra arma de fogo. ( O caso nem se põe se não tivessem arma alguma, pois é obvio que nada fariam!)?
Disparariam a arma? Ou deixavam que outrém disparasse sobre vós?
O que está aqui em causa é a integridade e a vida de cada um, e apenas isso.
Eu claramente assumo que se me encontrasse numa situação deste genero e tendo uma arma, para me salvar com toda a certeza a iria utilizar e depois cá estaria eu para me defender com a justiça.
Sabemos também que algumas vezes se dispara de qualquer forma e muitas vezes acontece o que não deveria acontecer... Civis baleados por balas perdidas ou mortes involuntárias.
E os policias são penalizados por isso mesmo.
E todos nós sabemos que um policia tem uma formação específica em armas e várias horas em carreiras de tiro, o que os mentaliza que não devem disparar sem motivo e somente apenas por necessidade. Como não sou juiz e sempre acredito até ser provado o contrário, para mim o policia exerceu o seu direito em salvaguardar a sua integridade e apenas recorreu ao uso da força porque o meliante não se entregou de livre vontade e ainda pôs em risco a vida de outras pessoas.
A Justiça que avalie o caso e que delibere com entender melhor, mas tenho para mim que se estivesse eu na pele do tal policia, faria exatamente como ele afirmou, avisaria primeiro o criminoso que estava a cometer uma infração e se o mesmo continuasse com a sua atitude ofensiva e com a arma em riste, não pensaria muito e faria o que qualquer um faria para salvar a sua pele...
Agora o que não devia acontecer é um menor andar para aí a cometer ilegalidades e devia o mesmo estar na escola ou em casa a ser formado como cidadão cumpridor com as regras de se viver em Sociedade...

5 comentários:

António de Almeida disse...

-Eu não hesitaria e disparava. Não ando actualmente armado, e já há alguns anos que não pratico tiro, mas se a minha pontaria continuar igual ao que era, a 60, 70 mts com uma 9mm, não erro. Os polícias trinam, acho muito bem, lembram-se do criminoso que matou 2, precisamente na Amadora? Ou do agente baleado na Cova da Moura, para quem não sabe é relativamente perto? Pois eu se fosse polícia e patrulhasse a zona era capaz de me sentir algo nervoso. Quando fui militar, certo dia comandei uma escolta ao EMGFA, levando um perigoso cadastrado que já estava há 6 anos no serviço militar obrigatório, tal as penas que acumulava. Mal saí da unidade, à frente do indivíduo, retirei o carregador da pistola e coloquei a munição de salva em 4º lugar, dei ordem a dois soldados para fazerem o mesmo, e disse-lhe, se tentares algo reza primeiro, os 3 primeiros serão a doer, e depois disparamos para o ar a gastar as munições para justificar no relatório. Nada aconteceu, felizmente para todos! Entre a vida dum polícia e a do marginal escolherei sempre a primeira. Lamento a morte do jovem, mas há que reconhecer que apesar dos 14 anos, não foi apanhado num qualquer fogo cruzado quando ia para a escola.

Tiago R Cardoso disse...

O alarido que se criou foi pela idade, 14 anos.

Ora vistes bem, o que se deveria era perguntar o que fazia ali o menor e ao que andava.

É lamentavelmente a sua morte, agora por mim ainda não vi nada de mau na actuação da policia.

Jose Ruah disse...

Ha um principio basico no uso da arma para quem a tenha. Se a Arma teve que sair do coldre entao é para disparar.

Se não é preciso disparar entao a arma deve ficar no sitio dela.

Isto para dizer que se tivesse uma arma, que nao tenho, e me visse confrontado coma asituação descrita, evidentemente que tentaria disparar primeiro.

Quanto ao incidente, se o opositor se apresenta armado a ultima coisa que passa pela cabeça de quem quer que seja é " Olha lá miudo que idade tens ?" para depois decidir se dispara ou se deixa matar.

É de facto pena que a nossa policia tenha que pensar em tantas coisas antes de disparar.

NuNo_R disse...

*Boas António...

Essa foi uma experiência interessante de certeza. :)

abr...prof...


* Boas Tiago...

Estamos em sintonia.

O que faria ali o menor invés de estar a estudar em casa ou na escola?

Será que é melhor andarem a criar disturbios?!

Depois dá nisto.

Mortes precoces por erros de educação.

abr...prof...

NuNo_R disse...

bOAS jOSÉ...


Também tenho para mim essa atitude.
Por acaso tb não tenho arma alguma de fogo, mas caso tivesse e me visse numa situação deste género, se a tivesse de tirar do coldre apenas seria para disparar e não estar a perder tempo a mostra-la.
:)


abr...prof...