terça-feira, 4 de dezembro de 2007

EURIBOR Vs POVO...

Porque temos sempre de seguir as indicações (ordens!) do senhor Trichet?
Será que este senhor cada vez que espirra, aumenta a taxa de juro referencial ao crédito imobiliário (Euribor)?

Ninguém conseguirá pôr cobro a tanto “roubo”?!
O Povo Português está á espera do quê também para se mexer?
Que fique sem casa?!
Sem trabalho?!
Não verão que com estes aumentos nos juros dos créditos á habitação, nas sucessivas políticas lesivas aos seus direitos e interesses, no aumento do Desemprego, no aumento da precariedade do Trabalho, nas constantes crises na Educação e na Saúde, que saiem sempre a perder?!

E o governo está á espera do quê para defender a "carteira" dos portugueses?!
De uma nova “revolução”?

Se calhar só assim, esta “gente” respeitará o Povo Português...

19 comentários:

Sniqper ® disse...

Caro Nuno,
Sobre este tema nem vou falar, é tão sujo e tão manipulado que jamais nós, os que pagamos iremos perceber, para isso é preciso pertencer ao grupo, de outro modo ficamos como estamos, na merda.

A razão fundamental do meu comentário é dizer "PARABÉNS PELA FRONTALIDADE E CLAREZA COM QUE ESCREVES.", não só aqui ams sim no comentário que fizeste sobre a Missão de acção para um mundo melhor proposta no blogue do C. Valente.
E nada mais vou dizer, porque de gente desta tenho o meu saco cheio.
Abraço

quintarantino disse...

O Banco Central Europeu az parte do sistema triturador em que nos enlearam e do qual não conseguimos sair. Antes, só saímos por duas vias: abandonando a Europa ou exigindo que a haja uma só Europa.

NuNo_R disse...

Boas sniqper...

Tenho pena de não pertecencer ao "outro" grupo, dos que quase sempre recebem e quase nunca pagam eheh

Mas tal como tú, nunca consegui compreender, também não trabalho na área financeira, o porquê de tanto aumento...
Não podem ser somente jogos de poder...

Algo estará por detrás, mas isso nunca iremos saber.


abr...por...

NuNo_R disse...

BoAS QUINTARANTINO...

Sairmos da UE será dificil se não mesmo impossivel, devido às consequências que enfrentaríamos...
Sermos só uma Europa, quanto a isso ainda tenho dúvidas, pois o facto de pertecermos a um país ainda "fraco" em relação aos "poderosos" deixa ainda muito a desejar e talvez seriamos prejudicados com isso.

De resto, O que podemos fazer é exigir que sejam mais claros quanto a este tipo de acontecimentos e politicas económicas; para que no fim não existam dúvidas quanto à honestidade e quanto à necessidade da aplicação das mesmas.
Uma coisa é fazerem o que querem, sem dar "cavaco" a ninguém; outra é explicarem que é necessário e os porquês e depois termos de aceitar ( aguentar!) com isso...


abr...prof...

Papoila disse...

O povo paga sempre Nuno... e muito poucos têm a tua coragem para frontalmente falarem.

Beijos
BF

NuNo_R disse...

Olá papoila...

Obrigado pelas palavras amigas que deixaste. :)

bjs

Porca da Vila disse...

Olá Nuno,

Por 'razões de ordem técnica' — leia-se 'burrice porcina' — fui forçada a mudar o "Braganzónia", que agora anda por aí perdido, a desaparecer aos bocados, para novo endereço — "http://braganzonya.blogspot.com". Basta trocar o 'i' por um 'y'. Aqui fica o meu pedido para que seja corrigido o 'link' para lá, e as minhas desculpas pelo inconveniente.

Quanto ao Governo defender os portugueses, meu caro Nuno, é mais fácil eu voltar a acreditar que o Pai Natal existe mesmo...

Um Xi da Porca

António de Almeida disse...

-Nuno, antes de qualquer divergência, deixe-me fazer uma correção técnica, o sr. Trichet não decide coisa nenhuma em relação á Euribor, esta resulta sim, duma série de indicadores complicados de explicar, mas que tem a ver com as expectativas do que irá acontecer. O sr Trichet, e não só, do comité de decisão faz parte Vitor Constâncio, decidem subir, ou não, quiçá até baixar, a taxa de juro do BCE, o que é diferente. Neste caso, a subida da Euribor, dá-se, porque os mercados, esperam que a taxa de juro venha a subir no início do próximo ano! E se não subir? Embora noutras alturas, já tenha descido, na expectativa do BCE descer a taxa de juro, e se não descesse?

António de Almeida disse...

-Posto que lhe deixei um comentário apenas de esclarecimento, para evitar confusões, vou agora dizer, neste momento estamos a passar uma fase má, a taxa tem subido, e terá de continuar para manter a inflação em baixo, taxa de juro e inflação, é sempre um ponto de equilíbrio necessário, caso contrário, é a crise!!!! o que ainda é pior. A alternativa seria desvalorizar artificialmente o Euro, mas tal seria uma catástrofe para o nivel de vida social europeu, assim sendo, não creio que existam muitas alternativas, a não ser que o Dolar comece a subir, e o petróleo estabilize!

NuNo_R disse...

oLÁ "PORCA"...
IREI FAZER A CORREÇÃO :)

BJS

NuNo_R disse...

BoAS E OBRIGADO António pelo esclarecimento.

Já tinha essa ideia , mas assim fiquei melhor...



ABR...PROF...

Blondewithaphd disse...

Boy, am I sick and tired of taxes and interest (juros) and all hell messing in my pockets!

NuNo_R disse...

Hi "BLONDIE"...

I´M WITH YOU IN THE SAME struggle...
with my own pockets and with them...

kIsseS

Raposa Velha disse...

Obrigado :-)

C Valente disse...

O problema é os nossos governantes dizerem Amem a tudo que nos é imposto lá por fora : Miséria
Saudações amigas
Aceito a sua posição, mas a ideia é um simples gesto,dado o periodo que atravessamos, e não entrar em consumismo

NuNo_R disse...

Boas raposa velha...

Parabéns!


abr...prof...

NuNo_R disse...

BoaS C_...


É esse mesmo o nosso problema, dizemos que sim a tudo o que vei de fora...

Agradeço que tenha compreendido a minha posição face a essa corrente. :)

abr...prof...

O Raio disse...

"Sairmos da UE será dificil se não mesmo impossivel, devido às consequências que enfrentaríamos..."


Quais consequências?

O problema tem de ser visto de outro modo. A adesão à então CEE, actual UE foi um erro, erro este complementado com a catastrófica adesão ao Euro.

A adesão ao Euro será provavelmente considerada pelos historiadores futuros como o pior erro estratégico feito pelo país desde o Tratado de Methuen.

A situação, a continuar como está, irá levar à extinção do país a médio prazo. É óbvio.

Está na altura de tomar decisões drásticas, não podemos ter medo do futuro!

É imperativo sair do Euro. Mas, na minha opinião, sair do Euro continuando na UE não resolverá totalmente o problema. Já é tarde demais. Há mais de dez anos que vivemos em crise permanente e não há nada que nos indique podermos sair da crise, antes pelo contrário, tudo indica que a crise irá continuar.

Estamos em pleno PEPEC (Processo de Extinção do País Em Curso).

É necessário sermos corajosos e tomar decisões drásticas, sair da UE e ficar na EEA (European Economic Agreement) ou mesmo só na EFTA como a Suiça e negociar parcerias ou associações ou o que quer que seja com a NAFTA (North Atlantic Free Trade Association), com o Mercosul e com outras.

Quanto mais tarde o fizermos, pior será.

E não tenhamos medo da reacção da UE. Se Portugal saisse seria uma imensa chicotada psicológica. Eles estariam demasiado ocupados a acalmar as suas opiniões públicas internas que também quereriam sair para exercerem represálias sobre nós.

NuNo_R disse...

Boas raio...

é um ponto de vista interessante este que mostraste e que de certa forma faz algum sentido.

mas teriamos nós neste momento a capacidade negocial que seria necessária para a saida da UE e fazer novas ou futuras alianças de mercado?

Não sei, não...

Não estaremos nós ( ao nivel governamental) mais preocupados em ir garantindo tachos aos nossos ( deles!) amigos e a pensar em futuros cargos? sem se preocuparem verdadeiramente com o que se pasa no país e somente se interessam em seguir as politicas europeias que a UE nos indica?

Ainda não chegamos a esse momento ( de rebelião), mas que estamos a dar passos largos nessa direção, lá isso estamos.
Mas não será com os portugueses da actualidade...
Pois estes andam mais preocupados em pagar a renda da casa, do carro, da tv nova,etc...
Quando os das gerações vindouras repararem que nada têm assegurado para o seu sustento e seu futuro, aí é que serão elas...
e muita coisa será obrigada a mudar.
Talvez nessa altura se pense em "grande"...


abr...prof...