quarta-feira, 19 de setembro de 2007

CONTROLO DIÁRIO DE ASSIDUIDADE...

O Ministério da Saúde emitiu um despacho para que os profissionais de saúde ( médicos e enfermeiros) passem a “picar o ponto” como forma de controlar a sua Assiduidade.

Acho muitíssimo bem!

Também assim sou controlado no meu emprego e não vejo que mal isso tem.
Dá a garantia ao empregador que o trabalhador se encontra no seu serviço ou posto de trabalho bem como o tempo que trabalhou nesse dia respectivo.
Isto só facilita a gestão interna duma empresa e neste caso concreto, dos hospitais.

Mas os tais profissionais de saúde e algumas das suas Organizações Representativas estão contra esta medida gestionária.
Pois preferem que o controle seja de outra forma ou como a actual.
Argumentam que em casos de terem de prolongar ou antecipar o serviço, o método actual é preferível, porque podem compensar essas horas noutros dias.
Mas para isso já existe na Lei Portuguesa uma coisa que se chama “Trabalho Suplementar” e que é regido por regras próprias.

Quererão estes “profissionais” estar acima da lei e dos outros “normais“ trabalhadores?!
Ou preferem andar sem ser controlados?!

Para mim isso é uma “tanga descarada”!

Já basta de chegarem atrasados e os doentes á espera, como nada se passasse.
Já basta existirem enormes filas de espera, enquanto os tais “profissionais” andam a beber café, conversar com o colega do lado ou ao telefone.
Até podem estar a falar de trabalho, mas dá uma má imagem da sua profissão; da qual depende a saúde de todos nós e da qual deve existir uma relação de confiança, que á partida já vai quebrada pelo descrédito que estes “profissionais” têm, devido a essas atitudes menos responsáveis, as quais assistimos constantemente e diariamente.

Espero é que com a “treta” de afirmarem que a sua produtividade poderá piorar, que não comecem a aparecer mais “casos” já na nossa debilitada Saúde.

Senão conheço um bom termo para essa atitude, e que se chama de CHANTAGEM!!!
E esta é punida por lei.

22 comentários:

Tiago R Cardoso disse...

E eu sei bem o que é isso, já esperei quatro horas por uma consulta, para demorar dois minutos a ser visto pelo médico.

O Profano disse...

E perdeste tanto tempo porquê?!

Se calhar o médico chegou atrasado ou andava a beber café, como muitos que conheço que o fazem...

Mas quando toca a eles estar á espera dos doentes, já sabem se queixar...

abr...prof...

CHEVALIER DE PAS disse...

Olá Profano,

olha agora não apetece estar a pensar neste assunto, estou ocupada a ler a Constituição da Republica Portuguesa, assim como quem lê o Aquilino nas escolas.

O quê já não se lê o Aquilino?
Ahhhhhhhhhhhh então é por isso!!!!!

O Profano disse...

Eu até li o Aquilino Ribeiro e gostei de o ler, principalmente o "Malhadinhas"...

bjs

CHEVALIER DE PAS disse...

2.Os partidos políticos representados na Assembleia da Republica, e que não façam parte do Governo, têm direito, nos termos da lei, a tempos de antena no serviço público de rádio e televisão, a ratear de acordo com a sua representatividade, bem como o direito de resposta ou de réplica política às declarações políticas do Governo, de duração e relevo iguais aos dos tempos de antena e das declarações do Governo.
ARTº 40 - DIREITOS DE ANTENA, DE RESPOSTA E DE RÉPLICA POLÍTICA-CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA

Acho que não se anda a aproveitar bem os tempos de antena, não sei bem como é que se faz isso do ratear, mas ouvem-se sempre os mesmos! Começo a ficar farta disto!

CHEVALIER DE PAS disse...

agora é que me lembrei, deve ser por a minha constituição ser de 1995!

CHEVALIER DE PAS disse...

Pronto, um post tão bom já consegui arruiná-lo!

CHEVALIER DE PAS disse...

olha-me este, Profano:

Ninguém pode exercer a título vitalício qualquer cargo político de âmbito nacional, regional ou local.
ARTº 121 - PRINCÍPIO DA RENOVAÇÃO -CRP

tás a ver profano que a minha cpr está desactualizada se não na madeira...

Anónimo disse...

Meu Caro Amigo...
Mas será que alguma coisa ou cidadão neste país é punido?
Claro que sim, os da classe de merda, NÒS, os que pagamos para 1/2 dúzia deles andarem a p+assera e a gozar e, neses estão incluidos muitos da classe da saúde, mas claro e para nosso bem ainda se aproveitam uns quantos...
Continua, precisamos de gente para fazer um shake nesta gente adormecida na sombra do futebol, das novelas e dos telejornais que já são autenticos guiões para facturar publicidade.
Raios partam este país que nunca mais sai do cano...

Anónimo disse...

Bem acho que "larguei" uns quantos erros, mas está perfeito para ler...
É a falta de paciência que já me anda a afectar o teclado!!!

O Profano disse...

Chevalier, qualquer dia por este andar destronas o constitucionalista Jorge Miranda do seu lugar... eheh

bjs

O Profano disse...

BoaS sniqper...

Apesar dos erros, que te são raros, a ideia ficou bem exposto e impossivel de rebater, tal o grau de veracidade que a mesma tem.

Também já começo a ficar cansado das "novelas" que vão acontecendo.
É que as da TV, ainda dá para mudar de canal, mas estas estão em todo o lado.

É a curiosisade, a critica portuguesa e a "sede de sangue" que nos caractrizam como Povo eheh


abr...prof...

R. da Cunha disse...

Qual será, de facto, o problema do controlo? Pois é, todos sabemos.

O Profano disse...

Boas r.da cunha...

Qual será o mal de ser controlado por um "teleponto" do que por uma "folha de ponto"?

Será, talvez, a hora a que a mesma é assinada.

Estes profissionais lidam com a vida e a saúde de todos nós, então devem os mesmos a ser exemplos a seguir, e em tudos os aspectos.
Não vale apena dizerem para os outros fazer, se nem eles a maioria das vezes fazem o que aconselham aos outros.
E com esta atitude como poderemos confiar neles?

E se então brincam com a nossa saúde com afirmações chantagistas, em que a "produtividade" pode piorar. Quem poderá confiar neles?
Nem os seus "patrões", os gestores dos hospitais consegurão confiar e ter uma boa relação empregador/trabalhador desta forma.


ABR...PROF...

R. da Cunha disse...

Pois é, meu caro.
Agora outro assunto: lamento o resultado do seu Sporting. Como sabe, a minha cor é outra, mas quando se trata de jogos contra clubes estrangeiros, sou sempre dos "nossos". Mas ainda há muitos jogos. Melhores dias (ou noites) virão.

O Profano disse...

Hoje o meu amigo r.da cunha não era pelos "vermelhuscos"... ehehe

Para além da derrota, custou-me mais que ela tenha acontecido devido a um golo de Cristiano Ronaldo.
Fez me relembrar uma situação antiga entre o SLB e Rui Costa. Agora não me recordo se foi com A Fiorentina ou já com o AC Milan.


abr...prof...

R. da Cunha disse...

Foi pelo ACMilan. E hoje eu era pelos do lego! É preciso muita Dranquilidade!

O Profano disse...

LOOL

C Valente disse...

100% de acordo, quem não deve não teme, a rebaldaria é oo que determinados senhores pretendem
saudações amigas

O Profano disse...

Também penso assim, quem não deve não teme. O que terão eles a esconder ou a perder com isso?

abr...prof...

António de Almeida disse...

-Concordo e não concordo! Passo a explicar, a rigidez de horários é perniciosa, mas deve haver controlo, se o estado não quer pagar horas extraordinárias, e um médico cumprir digamos 3 horas a mais no seu dia de trabalho hoje, será justo que não recebendo em dinheiro, receba em género, ou seja tenha direito a ser compensado em tempo por essas horas. O controlo pode existir, mas terão de existir mecanismos de compensação, caso contrário, se a postura fôr rígidez total, não podem sair antes da hora, como é lógico ninguém realiza uma consulta 10 minutos antes, e a produtividade baixa. Quem tudo quer, normalmente tudo perde, e sabemos como se costuma o estado comportar na sua relação com todos nós, inclusivé os seus servidores, nos quais esclareço não me incluo já que não sou funcionário público.

O Profano disse...

Concordo com alguns dos pontos expostos.

Para mim é claro que se existir trabalho suplementar e o esrado não o quiser pagar, como é lógico, deverá proporcionar o mesmo tempo de serviço prestado em tempo de descanso.
Mas mesmo desta forma o trabalhador será sempre penalizado, pois horas remuneradas são melhor pagas que horas de descanso.

Quanto ao facto de terem horários para cumprir. Para mim os horários de trabalho são sagrados e para cumprir escrupolasamente; seja na entrada quer na saída.
Logo acho bem que não sejam obrigados a trabalhar para além do tempo contratado.
Assumo ser utópico a minha posição, pois para isto poder ser posto em ptática, muita coisa teria de ser alterada ao nivel da gestão hospitalar, ao nivel dos contratos de trabalho, tempo de trabalho e quantidade de profissionais existentes.

Mas uma coisa pudemos ter como certa, esta "gente" não trabalha numa industria, mas sim com a nossa Saude, e como tal só vai para estas profissões quem sente que tem algo para dar ou para melhorar a vida dos outros ( é claro que também são remunerados acima de outras profissões); sendo assim, se quiserem dar uma opinião, dar uma consulta ou ver um doente antes do inicio da sua jornada de trabalho, podem-no sempre fazer.
Com disse antes, este é um trabalho por vocação e não por obrigação.


abr...prof...